quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Rapidinhas 26/02/15

1-  A NBA finalmente estreou no Sportv. Foi legal, mas, sinceramente achei estranhíssimo, pois a NBA é talvez o maior símbolo do principal rival do Canal Campeão, a ESPN. Em se tratando de Organizações Globo, ou melhor, Grupo Globo, é a estreia mais bizarra desde Dragon Ball Z na emissora-mãe em 2001.
2- Paulo Barros na Portela: um casamento que tem tudo para dar certo e queimar minha língua, trazendo vários títulos para a azul e branca de Oswaldo Cruz e finalmente quebrar seu jejum. Comparando com a Fórmula 1, isso de agremiação forte e popular com um nome de peso é comparável à uniões como Ayrton Senna/Mclaren e Michael Schumacher/Ferrari.
3- A esgrimista Élora Ugo abandona a preparação para as Olimpíadas Rio 2016 e diz ter vergonha de defender o Brasil: link .
4- Globo cogita deixar de transmitir futebol às quartas: link . Caso essa notícia se confirme, o Next Level Battle Circuit passará a ser meu principal programa de quarta à noite.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Feliz 2015

Agora sim, acabou o Carnaval, estamos oficialmente no primeiro dia útil do ano, finalmente podemos dizer: FELIZ ANO NOVO! Rapidinhas do dia:

1- O Engenhão depois de muito tempo voltou a sediar um clássico. E já voltaram rapidamente na grande mídia os comentários negativos sobre ele pela sua localização ser no subúrbio. Mas não adianta o chororô: vão ter que engolir o estádio.
2- A cerveja da Ambev campeã dos memes entre os gamers voltou a aparecer no futebol na Globo(foto) neste verão(só vi ontem porque não acompanho com afinco campeonatos estaduais).
3- Acontecerá este ano, com finalíssima no ano que vem, um circuito americano de KOF para manterem acesa a cena do game por lá, que naquelas bandas é considerado underground: link,
4- WNF Online Edition já começou! O primeiro torneio foi semana passada: link.
5- Atualização 15:00: Deu no Papo de Bola: Infelizmente os ingressos para as Olimpíadas Rio 2016 estão encalhados e o COI vai intervir junto à Rede Globo. Infelizmente, realmente aqui no Brasil o único esporte considero genuíno é o futebol, o resto é o resto. Praticantes de esportes olímpicos(e esportes eletrônicos também, por que não) tendem a nunca terem o seu reconhecimento merecido. 


domingo, 22 de fevereiro de 2015

Revelada a Capcom Pro Tour 2015





link
Revelados os detalhes da Capcom Pro Tour 2015. Agora, está bem próximo do ideal, o campeão da Capcom Cup do ano anterior tem vaga garantida para a Capcom Cup seguinte, e o número de competidores dobrou, agora são 32, das 31 vagas restantes, 16 darão vaga direta para o campeão e 15 se classificarão por pontos, de acordo com o ranking do ano corrente da Capcom Pro Tour. Para o Brasil, apesar do aumento do número de vagas, ficou mais difícil ter um competidor no evento, só teremos 1 torneio rankeado dessa vez, e ele dará vaga direta, isto é, será praticamente impossível um brasileiro se classificar por pontos desta vez, e quem lutar pela vaga direta com certeza terá que enfrentar competidores estrangeiros que tentarão abocanhar a nossa vaga, como o Sakonoko em 2013, que venceu o Treta, e sendo o representante "brasileiro", seguiu rumo ao título da Capcom Cup daquele ano. A competição ainda será em formato de mata-mata, com melhor de 3 nos top 32 e top 16, e melhor de 5 a partir do top 8.



Como seria o ideal para mim?

2 vagas diretas: campeão da EVO do ano corrente e campeão da Capcom Cup do ano anterior.
As outras 30 vagas seriam regionalizadas, seriam disputadas por pontos, porém com um número definido de vagas para cada continente, assim garantiria participantes de todos os cantos do mundo no evento, transformando o evento em uma verdadeira Copa do Mundo do Street Fighter.
Primeira fase da Capcom Cup deveria ser em fase de grupos, 8 grupos de 4, com o campeão passando para o mata-mata na winners bracket, e o segundo e terceiro passando de fase, porém indo para a losers.
Torneio disputado em um fim de semana completo: sexta, sábado e domingo.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Portela Morre na Praia mais uma Vez

E a Portela morreu na praia de novo, já são 33 anos sem ganhar o Carnaval, em seu último título eu não era nem nascido. Tá virando um tabu mais chato que o da Seleção no futebol das Olimpíadas. Nesse período de jejum da Portela aconteceu até a conquista da Libertadores pelo Corinthians! Se a azul e branca de Madureira não ganhar o Carnaval ano que vem, a Seleção Olímpica pode quebrar seu tabu antes dela. Mas, é claro, ela tem que tomar jeito, tem que ser um time decente, pois se o time base for aquele timeco do sub 20 cujo destaque principal na competição disputada foi expulsar o mascote do torneio de sua foto oficial, não passam nem da primeira fase. Não sou portelense, mas como morador da região fico triste ao ver a Portela estagnada, e Império Serrano e Tradição decadentes.
Pra finalizar o post sobre Carnaval, mais um pitaco: com o afunilamento da Série A, acredito que o Grupo de Acesso B deveria voltar a ter seus desfiles na Marquês de Sapucaí, é um certame que com o tempo tende a voltar a ser atraente e ter o nível que tinha antes da virada de mesa que originou a LIERJ e a Série A do Carnaval Carioca.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Wild Guns

Não conhecia esse jogo, vi essa foto dele na noite de segunda em um grupo do Facebook. Parece bom, é estilo Cabal, foi lançado na época de ouro dos games, meados dos anos 90, final dos 16 bits, início dos 32, CPS2, 100 Mega Shock. E aqui no Brasil ainda coincidiu com os anos em que os animes explodiram, sem dúvida uma época boa. O nome do jogo é Wild Guns, desenvolvido pela Natsume para o Super Nintendo e lançado em 12/8/1994 no Japão. Os protagonistas são o fortão Clint e a loirinha Annie.

Edit: Se eu achar fotos de gatinhas fazendo cosplay de Annie, edito o post, ehehehehe.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015


Haha, a Terra do Final Fantasy VI demorou para aparecer no blog, mas quando chegou, foi logo em dois posts seguidos, ontem e hoje. Desta vez ela ilustra este espaço para ilustrar a notícia do anúncio do lançamento do Dissidia Final Fantasy, o jogo de luta dos protagonistas da franquia, para os fliperamas japoneses em breve, 7 anos depois de seu lançamento originalmente para o PSP, em 2008.
link

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Terra Branford e a Maracugina

Música da propaganda da Marucugina que toca nas rádios e se parece com a música da Terra do Final Fantasy VI. Citei ela várias vezes, a primeira tem um tempinho já, mas ainda não tinha me aventurado no mundo de captura de som. Depois de enfrentar o Baidu(seria irmão do Gaidu do Warriors of Fate?), um primo do Babylon Web Search(esse eu ainda não venci totalmente), de uma tentativa fracassada de montar um slideshow com minha música no Youtube, fiz uma conta no Sound Cloud e upei a jingle do comercial que capturei do Sentinelas da Tupi. Não sei o que fiz de errado que a gravação ficou com chiado, mas independente das pessoas que depararem com esse post concordarem ou não com a semelhança das músicas, espero que ela garanta algumas risadas antes que o Sound Cloud (provavelmente) delete meu envio.
https://soundcloud.com/marcio-yukio-lima/maracugina


sábado, 14 de fevereiro de 2015

20 anos de Double Dragon do Neo Geo


Um jogo que fará em breve 20 anos de seu lançamento é o Double Dragon do Neo Geo. Lançado na carona do filme(que é considerado uma das piores adaptações de games da história), é uma das versões de luta do game dos irmãos Billy e Jimmy, lançado primeiro para o arcade Neo Geo MVS(3/3/95), Neo Geo Cartucho(31/3/95), Neo Geo CD(2/6/95) e Playstation(26/4/1996). Fez grande sucesso nos fliperamas brasileiras, sofrendo do "efeito Jaspion"(fez mais sucesso no Brasil do que no país de origem; falando nisso, nesse ponto, o jogo mais "Jaspion" da era de ouro dos arcades foi Cadillacs and Dinosaurs) graças ser um jogo divertido, com ótima jogabilidade e bastante fácil de se aprender a jogar.
Uma peculiaridade dele é que, apesar de ter 4 botões de ataque, não tinha 2 socos e dois chutes, mas sim ataque fraco, médio, forte e muito forte.
O especial exclusivo dos protagonistas de se transformarem e ficarem mais poderosos foi uma inovação animal na época.
A personagem preferida dos jogadores de rodoviária era a Rebecca, uma garota apelona que podia mandar mais de um projétil ao mesmo tempo na tela e que tinha um shoryuken em que ela ia pra trás, tornando mais difícil a punição do oponente caso de ataque mal-sucedido. Foi uma personagem que me marcou tanto que até hoje quando vejo alguma mina chamada Rebeca eu me lembro dela.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Feda, o Shining Force do SNES


Dias desses eu estava escutando a trilha sonora remixada desse jogo e me deu vontade de fazer um post. Esse é Feda: The Emblem of Justice, um jogo lançado em 1994(pouco mais de 20 anos atrás) para Super Nintendo no embalo do Sucesso de Shining Force do Mega Drive. Essas fotos são da versão Feda Remake, lançado no ano seguinte para o Sega Saturn, que joguei em 2012. Não joguei até o final(parei para assistir as Olimpíadas e depois não voltei a jogar mais), mas foi o suficiente para que me motivasse a... criar este blog. Este espaço a princípio seria apenas sobre games, alternaria tópicos de notícias com passo-a-passo de jogos que eu joguei, como ele. Na hora do vamos ver, me empolguei com Londres 2012 e mudei um pouco o rumo dele e ele se tornou o que ele é hoje.

O jogo em si é bem parecido com o Shining Force, é um jogo de estratégia/RPG de turnos onde um time do jogador enfrenta um time da CPU em cada batalha, onde há uma cena animada com uma música maneira em cada ataque, magia, etc. Assim como o Shining Force, é dividido em capítulos, porém com algumas diferenças, a principal delas sendo que o seu grupo pode ser "do bem" ou "do mal" de acordo com sua performance nas batalhas. Nas batalhas em que o objetivo não é matar todos os inimigos, o número de inimigos poupados e mortos interfere no alinhamento do protagonista Brian. Isso muda não só o final do jogo(são 4 diferentes) e até os personagens que entram no grupo.


Os personagens são um show à parte, bem variados, gosto bastante deles, vou citar aqui alguns deles:
- Brian, o protagonista(que fisicamente é extremamente parecido com Max do Shining Force original; é o único que muda de roupa durante o game, já que ele não tem o sistema de promoção de classes do Shining Force; fiz ele no Soul Calibur V)
- Ein, o deuteragonista(o lobisomem que é o melhor amigo de Brian, são inseparáveis, se um ou outro morrer, é fim de jogo; também fiz ele no Soul Calibur)
- Dora, que não é a Aventureira, mas é uma Arqueira Raposa muito boa de briga.
- Ellis, a curandeira que parece a Khris do Shining Force.
- El, o mago que lembra o Lutz do Phantasy Star.
- Ryohkan, o monge mulherengo do mal que é o "Gong" do jogo.
- Jenny, a centaura(mal traduzida com "Centoll") gatinha(existe isso?) que, digamos, tem um busto bonito de se ver.
- Shishimaru, o Lion Man do jogo. Luta com duas espadas samurai.
- Arby, o Chacal lutador de MMA(mal traduzido com "Karkal") que eu apelidei de "Anderson Silva" quando joguei o remake. Só não sei o resultado que deu em seu antidoping.
- Richard, o Dragonewt do jogo. Com certeza ele foi criado graças à popularidade de Elliott no Shining Force.
- Gust, o mago que parece o Guile. Alex Full!
- Tobikage(foto), o Kamen Rider Ninja do jogo. Muito legal, pena ser fraquinho.
- Shim Ems, uma androíde do bem que poderia muito bem ser uma Metal Heroine. Junto com Tobikage e Shishimaru são os três personagens do game que lembram bonecos de tokusatsu.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

O Vice dos Vilões de Tokusatsu

Vou transcrever aqui um diálogo que tive no Facebook com o Gustavo/Masaki para que o post seja compreendido:

Eu: "O vilão vice-campeão do universo tokusatsu. A romanização mais usada para o nome dele é "Basco", mas como na caixa do bonequinho dele está escrito "Vasco", a piada tá valendo. Ainda bem que a galera da Desciclopédia não perdeu tempo e fez logo uma montagem para fazer piada."

Gustavo: "Apesar d ser possível escrever em japonês o V (bastando usar o "U" do alfabeto Katakana - usado para adaptar palavras estrangeiras - com o sinal gráfico "tenten", duas aspinhas q mudam a fonética), usar e escrever o B no lugar continua sendo o meio mais popular d escrita."

Eu: "Apesar da grande maioria do fandom usar a grafia "Basco", estive pensando e acho que romanização mais correta é "Vasco" mesmo do jeito que tá no bonequinho. Posso estar dizendo uma grande besteira já que eu não acompanhei a série, mas esse visual dele, principalmente o chapéu, me lembra o muito o de um navegador, o que deixa bastante evidente a referência ao Vasco da Gama."

Gustavo: "Tenho certeza q usaram esse o navegador como referência na hora d nomear este personagem: nada mais justo q usar nomes d pessoas q viveram na época da pirataria clássica. E sim, o certo na hora d romanizar seria "Vasco" msm; mas é como eu disse lá em cima: o B tem a preferência.